19 de setembro de 2008

O gosto do cinza-chumbo.

Eu queria sentir o gosto das cores. Só pra te contar como é.
Pra tentar dentro de inúmeras metáforas, ilustrar pra você, aquilo que só eu sei sentir.
Mas parece que você não quer.
Queria te falar do gosto do azul. Do verde. E do azul-esverdeado.
Do curioso gosto do lilás. Do apimentado laranja e do amarelo sem sal. E do gosto do prata, que pipoca na boca. Estala.
Tá sendo difícil te mostrar as coisas. Mais do que eu imaginava que seria.
Tá doendo, machucando, apertando. Me apertando. Deixando minha boca com gosto do cinza-chumbo.
Eu te chamei pra colorir meu mundo. Te levei lápis de cor e giz de cera.
Você só abriu a caixa, e espalhou todos os gostos. Os bons e os ruins. Os azedos e os amargos. Os doces e os picantes. Os opostos.
Tudo meu se perdeu, e você nem reparou.

2 comentários:

Naty :) disse...

Você já leu A Menina que roubava livros? no início do livro tem um capítulo MORTE E CHOCOLATE em que o narrador(que é a morte) vai falando das cores que o céu tem em cada dia que ela leva alguém.
lembra um pouco o que vc escreveu
adorei, muito criativo, abstrato.
muito bom.

;*

diegomolinarj disse...

"menina q roubava livros" de cu é rola. isso é bom pra caralho!
belo.